Ocorrido

Uma barragem de mineração, pertencente à mineradora Vale e localizada na Mina Córrego do Feijão, se rompeu no início da tarde desta sexta-feira (25), em Brumadinho, na Grande Belo Horizonte. A informação foi confirmada pelo tenente-coronel Flávio Godinho Pereira, coordenador da Defesa Civil de Minas Gerais, em rápida conversa com a reportagem do Hoje em Dia.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, um helicóptero da corporação foi deslocado para o local para verificar os danos. Conforme os militares, o rompimento ocorreu próximo ao município de Mário Campos. Há relatos de vítimas, segundo os bombeiros, mas as proporções ainda são desconhecidas.

Por meio de nota, a Vale informou que “as primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seuPlano de Atendimento a Emergências para Barragens”. A prioridade, conforme a assessoria de imprensa da mineradora, é preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade.

A Polícia Militar destacou que helicópteros da corporação também foram deslocados para a região da barragem. Nas redes sociais, a prefeitura de Brumadinho pediu aos moradores para manter distância do Rio Paraopeba. Equipes da Defesa Civil municipal também foram deslocadas para a região. Procurada, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) informou que equipes estão se deslocando para Brumadinho.

Um morador de 21 anos, que pediu para não ser identificado, presenciou o momento do rompimento. “Comecei a trabalhar perto da barragem ontem (quinta-feira), com transporte de minério. Cheguei em cima de uma mina para fazer o carregamento, olhei para o lado e vi a contenção estourando e aquela poeira subindo”, relatou. Segundo o rapaz, a lama chegou até o terminal ferroviário Alberto Flores e também encobriu as estradas que dão acesso à região. “Estou voltando para a casa pela BR-381, porque meu caminho ficou fechado”, acrescentou.

O mecânico de manutenção Clarismundo Moreira, de 65 anos, nasceu de novo. Todos os dias ele almoça na região e essa sexta só foi diferente porque estava de folga. “Esse horário é certo que estaria lá, tem vários restaurantes, botecos. Acho que há pelo menos umas 350 pessoas que trabalham por lá”, conta.

Vídeo

Mais notícias em catoleemfoco.com
Nossas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter
Entre em nosso grupo do whatsapp (Clique no número): Grupo 01, Grupo 02, Grupo 03 ou Grupo 04.

 
Site Catolé em Foco
Grupo Fechado · 7.321 membros
Clique Aqui Participar do Grupo
catoleemfoco.com