Auxílio emergencial: Mais de 10 milhões de pessoas ainda aguardam análise

tcu ira fazer um pente fino nos cadastros do auxilio emergencial

São 4,9 milhões de cadastros em primeira avaliação de dados e outros 4,8 milhões em reanálise. O cadastro no programa poderá ser feito até o dia 3 de junho.

Os cadastros processados para pedir o benefício chegaram a 101,2 milhões. Desse total, 59 milhões foram considerados elegíveis e 42,2 milhões inelegíveis.

Um dos principais motivos para a negativa do pedido dos que se inscreveram está ligado à renda. São trabalhadores informais, mas que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018, o que impede o pagamento do benefício, de acrodo com lei do auxílio.

Quem tem direito

Para ter direito ao benefício é preciso estar desempregado, ou ser microempreendedor individual (MEI), contribuinte individual da Previdência Social e trabalhador informal.

Além de pertencer à família cuja renda mensal por pessoa não ultrapasse meio salário mínimo (R$ 522,50), ou cuja renda familiar total seja de até 3 (três) salários mínimos (R$ 3.135,00).

A Caixa Econômica Federal já pagou desde 9 de abril R$ 60 bilhões de auxílio emergencial, somadas as primeiras e segunda parcelas. No total, 55,1 milhões de pessoas receberam a primeira parcela.

Então, o pagamento da segunda parcela alcançou 30,4 milhões de trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados. O auxílio emergencial é de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras), por parcela.

Do total pago até agora, R$ 22,8 bilhões foram para beneficiários do Bolsa Família, R$ 11,7 bilhões para aqueles inscritos no Cadastro Único para os Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e R$ 25,5 bilhões para quem se cadastrou pelo site ou aplicativo do auxílio emergencial.

Entre em nossos grupos:

34Siga nossa página, seguir a paginaVeja mais notícias clicando AQUI