Início Paraíba

Após ser queimada por ordem de padre, cadela é salva por ONG na Paraíba

6

A cadelinha Alaíde, que comoveu as redes sociais no ano passado após ser queimada com água quente, agora volta a ser motivo de polêmica na cidade de Monte Horebe, região de Cajazeiras, na Paraíba.

Alaíde é uma assídua frequentadora da Igreja Matriz da cidade (Paróquia São Francisco de Assis), da escola, da Praça, enfim, uma moradora da rua, mas há quatro anos é alimentada, cuidada e medicada pela jovem vendedora Jéssica Dias.

O problema agora é que o novo administrador paroquial, Francisco Mendes (Padre Mendes) não aceita a presença da cachorra na Igreja e já lhe pediu uma solução imediata.

De acordo com Jéssica, o padre alega que a cadelinha, que não perde uma só missa, fica com as “pernas abertas no altar”, além de ser um local para seres racionais, a cachorra é “fedorenta”.

A vendedora informou que o assunto tem gerado mal estar na cidade, pois o Padre Mendes foi o primeiro a se opor a presença de Alaíde na igreja.

“Ele falou até em sacrificar, mas ela [Alaíde] não tem doença. E ela não é minha. Eu apenas cuido dela, mas ela é de rua”, Revelou Jéssica Dias.

O outro lado

Procurado, o padre contou que Alaíde anda incomodando muito, porque suja a igreja e as crianças que frequentam o local ficam brincando com a cadela correndo risco de doenças.

O sacerdote explicou que a cachorra está doente e fica se coçando durante a celebração e perdendo os pelos.

Padre Mendes alegou que Jéssica disse não ser dona da cachorra, mas prometeu procurar as autoridades para resolver o caso da melhor forma.

Repercussão Nacional e Resgate por ONG

7

A história da cadelinha, tomou as redes sociais e inclusive até o Padre Fábio de Melo que chegou a compartilhar a postagem do noticioso site paraibano Diário do Sertão.

O apoio a causa da cadelinha e resgate na cidade sertaneja partiu do Fórum Municipal de Proteção e Bem Estar Animal da cidade de Campina Grande, através de Socorro Souza e Rodrigo Freire, além de Andreia Medeiros da ONG Missão Patinhas Felizes e Michelle Cristina, da ONG Harmonia dos animais abandonados (HARPIAS), além do apoio da jovem Jéssica Dias, de Monte Horebe, que alimentava e medicava a cadela.

Uma equipe da cidade de João Pessoa e de Campina Grande foi a Monte Horebe para fazer o resgate de Alaíde, que após passar por uma cirurgia na capital (para não reproduzir), será adotada por uma campinense, que já é dona de outros seis cães. O momento de despedida de Alaíde foi marcado por muita emoção e lágrimas, pois a jovem Jéssica Dias estava acostumada a cuidar da cadelinha, mas disse não ter disponibilidade para adotá-la.

Catolé em Foco

Fonte: Com Diário do Sertão

Leia mais notícias em: catoleemfoco.com
Nossas redes sociais, sigam: Facebook, Instagram e Twitter
Nossos grupos do whatsapp: 01, 02, 03, 04 ou 05
Entre em nosso grupo do Facebook: Clique aqui